quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Mulher...


Árvores negras...
Caminho entre ela sob a tua adorada Lua,

Vou ao teu encontro.

Você me chamou, estou aqui, minha amada.
A noite conspira contra você, mas não pode ganhar...
Perfume de relva, mata e jasmins,

Não se igualam ao seu perfume de mulher
Nem mesmo em uma ínfima parte!
A tua adorada Lua com todo esse brilho

Não ofusca o brilho teu.
Quero-te e terei.
Estou indo, minha boca chama por você,

E teu sangue chama pelo meu.

Não sabes o que quero, mas sabes que quero algo

Teu arrepio chegou em sonhos.

Teu desejo farei valer

Quer me dar enquanto mulher o que venho buscar,

Então tomarei

Logo saberás quem sou e quem és,
se hoje, minha rainha, eu não chegar

Deseje,
me peça,
precise de mim.

Vivo de tuas emoções e medos
Vivo do teu querer!
Enlouquece?
Não amor meu,
Apenas me percebeu!

Num beijo entreabro tua boca,
No teu sonho bem de leve te dou
Meu começo e teu fim,

Essa gota de mim é tua.

E o que te resta, pertence a mim!

Um comentário:

Ísis disse...

Muito bom Ujio, sempre é um prazer passar aqui e ler o que voce escreve. Nos inspira, rsrs. Bjss
carinhosos e respeitosos.